19/04/2010 date_img 8h51

Contexto e realidade digital regional

cine-tenda

Por Roque González

A distribuição e a exibição digital do cinema prometem revolucionar a indústria da sétima arte. Essas mudanças deveriam fomentar uma maior democratização e acesso, sobretudo para os países pequenos e de menor desenvolvimento. No entanto, parece que a tendência não será essa.

Na América Latina – como na maior parte do mundo – existe um processo de concentração e transnacionalização na distribuição e na exibição. Poucas empresas – geralmente as majors (os grandes estúdios de Hollywood) – gerenciam 60% a 80% do mercado, dependendo do país. Da mesma forma, também é muito comum que as grandes empresas distribuidoras possuam também os principais circuitos de projeção.

A cota de mercado dos filmes latino-americanos que estreiam em algum país do continente que não seja o seu país de origem acaba se tornando marginal. Os índices de arrecadação, ingressos vendidos e circulação regional de filmes atingem, geralmente, menos de 1%. Essa estimativa, entretanto, pode variar em caso de algum sucesso excepcional.

Assim, embora se produza uma quantidade importante de obras cinematográficas (como nos casos de Argentina e Brasil), elas não conseguem ser comercializadas e acessíveis ao público. Infelizmente, os esforços realizados pelos Estados a favor do cinema estão focados quase que exclusivamente para a produção, deixando a comercialização em um plano inferior. 

Faça o download e confira o artigo (em espanhol) na íntegra.

FOTO: 13ª Mostra de Cinema de Tiradentes / Crédito: André Fossati